Batman vs Superman – longe deste insensato mundo

Existe um problema conceitual em Batman Vs Superman: A Origem da Justiça (Batman Vs Superman – Dawn of Justice, EUA, 2016). O problema está no fato de que, quando o Batman e o Superman se enfrentaram com socos e pontapés, eles protagonizaram uma das melhores histórias em quadrinhos de todos os tempos: The Dark Knight Returns (1986) de Frank Miller. Corresponder à significância dessa história é uma tarefa muito complicada.

Batman V. Superman: Dawn Of Justice

Batman vs Superman sequer tenta. Ele não é uma adaptação dos quadrinhos da década de 1980, embora contenha várias referências à obra de Frank Miller. Isso acontece por que a DC Comics está tentando criar um universo cinematográfico copiando os moldes da Marvel, mas eles estão a anos luz de distância de seus rivais e não há Zack Snyderes suficientes para resolver esse problema. Aliás, ele é parte do problema.

A trama tumultuada do filme gira em torno de um embate de caráter ideológico entre o Super Homem de Metrópolis e o Batman de Gotham City. A luta entre Clark Kent e o General Zod no primeiro filme do universo cinematográfico da DC, Man of Steel (2013) deixou Metrópolis completamente destruída e matou milhares de pessoas. Desde então, o personagem interpretado por Henry Cavill é visto por uns como um salvador vindo dos céus, uma espécie de Deus enquanto por outros, como uma ameaça, um ser alienígena que pode aniquilar a raça humana se ele quiser sem ninguém capaz de detê-lo.

sam_mrktstills_r7_150604.086580.tif

Bruce Wayne, agora interpretado por Ben Affleck, acredita nessa segunda teoria, e começa a se preparar para um possível confronto com o alien krytponiano. Clark Kent, por sua vez, acredita que os métodos de ordem do Batman são moralmente errados e que alguém precisa ir lá e dar um puxão de orelha nele. E, no meio desse conflito razoavelmente frágil em termos de motivação, Lex Luthor (Jesse Eisenberg, absurdamente ridículo no papel), o bilionário dono de uma empresa de tecnologia,  vê a oportunidade para realizar um plano que, em suma, não o levará a lugar algum.

Batman V. Superman: Dawn Of Justice

Não é só que a trama do filme não faz o menor sentido. Ela sequer consegue construir um ímpeto que leve a uma conclusão satisfatória do embate entre o Batman e o Superman, uma das cenas cinematicamente mais broxantes da história do cinema recente.  E o problema jaz, justamente, nas motivações dos personagens. Na história de Frank Miller, o Super Homem tornou-se um capacho do governo dos Estados Unidos, que ordena a ele que o Batman seja eliminado. Aqui, sem adentrar no território de spoilers, não há, genuinamente, uma motivação para os personagens se estapearem. Tanto hype para pouco: #Quemvaiganhar? #Quemseimporta?

Batman V. Superman: Dawn Of Justice

A direção de Zack Snyder não ajuda a criar um senso de drama. Estilizado ao extremo, Batman vs Superman certamente possui imagens interessantes, mas elas não são coerentes e, principalmente, elas não se conectam. Tudo é som e fúria significando nada, exceto, talvez, agradar a uma legião de fãs interessada somente em ver prédios sendo destruídos em explosões fantasticamente realizadas pela magia da computação gráfica, e nada mais.

Mas, é tão injusto que eu compare este filme aos quadrinhos de Frank Miller? Eles obviamente contam histórias diferentes. O ponto que eu quero chegar é que The Dark Knight Returns era um quadrinho com alto teor político, pois ele foi escrito na era Ronald Reagan, em uma época em que os Estados Unidos e a União Soviética ainda estavam em conflito pela soberania militar e ideológica do nosso mundo. A história escrita por Miller era um reflexo dessa sociedade, o que talvez explique por que ela funcionou tão bem.

BATMAN V SUPERMAN

Verdade seja dita, o filme de Zack Snyder é divertido. Mas será que isso é o suficiente? Em uma era em que personagens de histórias em quadrinhos (vulgo o Capitão América, ou o Batman de Christian Bale) estão se tornando cada vez mais politizados, Batman vs Superman foge desesperado de qualquer conotação política. Fanboys certamente ficarão satisfeitos. “Não mexam na minha diversão!”, eles gritarão. Justo. Mas eu ainda estou ansioso para ver alguém me agarrar com mais do que só solavancos. Melhor esperar por Guerra Civil.

Roberto Fideli

Jornalista e mestrando da Faculdade Cásper Líbero. Fanático por cinema, desenhos japoneses, fantasia e ficção científica. Seu sonho é ser piloto de naves espaciais, mas não tem coordenação motora para isso.

Um comentário em “Batman vs Superman – longe deste insensato mundo

  • 30/03/2016 em 09:11
    Permalink

    Capitão América herói politizado? Que tipo de herói politizado inicia uma guerra civil por causa de um ex-namoradinho? Não sou fanboy e concordo com sua opinião sobre BvS mas essa colocação sobre o CP foi meio nada a ver.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *