Divertida Mente: Adolescência na sua cabeça

Se a Pixar tivesse decidido fazer um filme sobre uma garota pré-adolescente, teria sido capaz de fazer uma animação por si só fascinante. Mas, a proposta de Divertidamente (Inside Out, EUA, 2015) dirigida por Pete Docter (Up, Monstros S.A.) é feita de forma muito mais brilhante do que eu poderia imaginar: a animação entra na cabeça da garota para analisar as vozes de seu pensamento, emoções que assumem rostos e figuras humanoides e que são surpreendentemente divertidas.

Alegria, Raiva, Medo, Nojinho e Tristeza estão com a protagonista Riley desde o seu nascimento. Alegria foi a primeira a chegar e acredita que todos lá possuem uma função. Menos a tristeza, sua completa antítese que, ao olhar dela, existe para atrapalhar todas as coisas boas que ela tenta fazer pela Riley. Ou pelo menos é o que ela pensa.

Depois que uma crise se instaura quando Riley e sua família se mudam de Minessota para São Francisco, Alegria e Tristeza se encontram fora do ‘Centro de Controle’ tentando desesperadamente voltar antes que Riley para resgatar suas melhores memoórias após ela mudar de escola e deixar seus amigos e o hóquei no Estado do centroeste americano. Enquanto isso, Medo, Nojinho e Raiva ficam no ‘Quartel General’ da cabeça de Riley. Puxa, a adolescência nunca foi tão bem explicada.

Com um roteiro de Pete Docter, Meg LeFauve e Josh Cooley, Divertidamente talvez seja o filme mais inteligente que a Pixar já produziu. Especialmente na coerência dos contextos neurocientíficos da cabeça de Riley – como quando os protagonistas entram em um ‘atalho da abstração’ que vai deixar as crianças traumatizadas pro resto da vida.

Divertidamente é um filme que não tem medo de soltar seus socos nos espectadores. Não é só uma viagem entre as emoções de uma pessoa, mas sim um retrato dos complexos embates que existem dentro de uma garota de 11 anos, feito com uma tenacidade e nuances que poucas animações possuem.

Roberto Fideli

Jornalista e mestrando da Faculdade Cásper Líbero. Fanático por cinema, desenhos japoneses, fantasia e ficção científica. Seu sonho é ser piloto de naves espaciais, mas não tem coordenação motora para isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *