Frank Miller surpreende em painel da CCXP

Normalmente conhecido por ser antipático e por dar respostas secas, Frank Miller surpreendeu a muitos durante seu painel da CCXP, realizado sexta-feira dia 4 de novembro. Responsável por fazer a arte do pôster, representando a Mulher Maravilha, Miller foi o convidado de honra do evento realizado entre os dias 3 e 6 de dezembro.

Durante a sessão de autógrafos, o quadrinista e ilustrador norte-americano de 58 anos passou mal e teve que limitar o número de autógrafos a 80. Visivelmente debilitado e acompanhado de uma tradutora, Miller respondeu pacientemente às perguntas do entrevistador feitas em português. A maioria delas girou em torno de suas obras seminais no espectro dos quadrinhos norte-americanos como Batman: The Dark Knight Returns publicado em 1986, Sin City, publicado em 1993, 300, publicado em 1998, e outras.

Perguntas genéricas e que são conhecidas do público fã de quadrinhos eram esperadas por parte dos entrevistadores da Comic Com Experience. As respostas de Miller – que foram secas e, às vezes, atravessadas – também. Ele também falou sobre sua interação controversa com Hollywood (Miller dirigiu ao lado de Robert Rodrigues as adaptações de Sin City para os cinemas, além do filme The Spirit de 2008, que foi um fiasco) e disse que é jovem demais para ter uma obra prima.

O destaque ficou por conta do anúncio de uma nova HQ de Sin City, intitulada Sin City 1945. Não obstante, o que mais surpreendeu sobre sua vinda ao Brasil foi sua interação com os fãs. Extremamente atencioso e gentil, Miller respondeu de forma muito tranquila às perguntas dos fãs, algumas boas, outras ruins.

Ele disse que vivemos em um tempo no qual precisamos de heróis, precisamente pelo fato de que temos que nos perguntar por que precisamos deles, e respondeu quais são seus artistas favoritos a um garoto de onze anos que fez a melhor pergunta de todos os que estavam na fila. Miller também emocionou os presentes no auditório ao autografar e abraçar um fã, que chorava tanto que não conseguia falar com ele direito.

Num dia marcado pelo fiasco do painel de David Tennant e Kristen Ritter sobre a série Jessica Jones, Frank Miller foi o ponto alto em um dia decepcionante.

Roberto Fideli

Jornalista e mestrando da Faculdade Cásper Líbero. Fanático por cinema, desenhos japoneses, fantasia e ficção científica. Seu sonho é ser piloto de naves espaciais, mas não tem coordenação motora para isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *