A Menina Submersa: Memórias

0

a_menina_submersa_limitededitionA Menina Submersa: Memórias, de Caitlín R. Kiernan, conta a história de Imp, ou India Morgan Phelps. Ela é uma jovem pintora, que trabalha em uma loja de materiais de arte para pagar seu aluguel e seus instrumentos de pintura, é amante dos discos antigos de sua mãe e de histórias de sereias e lobos. Imp também é esquizofrênica, e isso se reflete em sua narrativa de várias formas.

A autora decidiu escrever o livro em primeira pessoa, do ponto de vista de Imp, em uma tentativa de tentar passar ao leitor a sensação de como seriam as memórias e a vida de uma pessoa que sofre de esquizofrenia. Ela consegue isso de forma magistral, embora o resultado seja uma narrativa pesada e, às vezes, um pouco confusa. As histórias de fantasmas, como a própria Imp define suas memórias, são embaralhadas, cheias de dúvidas sobre o que é real, altamente fantasiosas e extremamente complexas. Ao narrar sua vida, começado com a infância, o suicídio da mãe, também esquizofrênica, ela faz paralelos com fábulas e obras de arte, marcando o tempo com visitas aos museus de sua cidade.

Todo o texto funciona como uma válvula para Imp, uma tentativa de compreender o que aconteceu com ela, uma mulher chamada Eva Cunning e sua namorada Abalyn, uma transexual que faz resenhas de videogames para viver. Acontece que, em suas memórias, ela acredita ter encontrado Eva Cunning duas vezes em diferentes estações do ano, parada nua no acostamento de uma estrada.

Em cada uma delas, Eva Cunning estaria relacionada a uma lenda, obras de arte e toda uma mitologia apresentada por Imp. A Eva do verão se relaciona com o quadro A Menina Submersa, de Phillip George Saltonstall, com sereias e com um rio.  Já a Eva do inverno, se relaciona com Chapeuzinho Vermelho, lobos e com Fecunda Ratis, de Albert Perrault.

menina_submersa_capaEssas obras são todas personagens da obra, assim como Imp e Eva. Mas a descrição da autora, as bases históricas e os detalhes são tão bem escritos e amarrados que é quase como se fossem de verdade. Ainda mais com as referências criadas com a história da Dália Negra e crimes reais.

A narrativa é não-linear, e Imp vai e volta em seu texto, divagando em seus pensamentos, lembranças, medos e frustrações, inclusive com partes de contos que usa como extrapolação de suas vivências, para tentar compreendê-las de uma outra maneira. Isso torna a escrita confusa e, por vezes, quase incompreensível; é necessário ter muita atenção e paciência. A parte mais “estranha” da narrativa é quando Imp está sem seus remédios, já que não sabemos onde termina a realidade e começam suas divagações.

Aliás, o livro inteiro pode ser considerado um experimento sobre o real e o imaginário das pessoas, não só de uma garota com esquizofrenia. O quanto nossas memórias podem ser enganosas? O quanto alteramos os acontecimentos, inconscientemente, em nossas mentes, para adequar ao que conseguimos compreender? Talvez seja mais difícil para Imp do que para os outros, e ela precise de remédios para diferenciar o real e o imaginário. No entanto, não é possível dizer que tudo o que aconteceu com ela seria irreal. Afinal de contas, como já disse o velho professor Dumbledore, “Claro que está acontecendo em sua mente, Harry, mas por que isso significa que não é real?”.

A edição limitada de A Menina Submersa em capa dura da DarkSide Books ficou muito bonita, com a lombada rosa, fita para marcar as páginas e desenhos de insetos em todos os começos de capítulos, se relacionando com parte das alucinações de Imp. A edição em brochura contém o mesmo texto, mas é ligeiramente mais barata. A tradução é de Ana Resende e Carolina Caires Coelho, e eu creio que ela conseguiu captar as nuances do texto de Imp, com suas palavras pouco usadas e seus maneirismos.

Caitlín R. Kiernan. A Menina Submersa (The Drowning Girl). Tradução de Carolina Caires Coelho e Ana Resende. Editora DarkSide Books, 2014. 320 páginas.

O livro foi enviado como cortesia por conta da parceria entre o Who’s Geek e a DarkSide Books. Encontre a DarkSide nas redes sociais: Twitter / Facebook / Instagram / YouTube / G+

Comments

comments

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here