Os 15 melhores filmes de 2015

Nota-se que, nesta lista, encontram-se vários filmes lançados no Brasil em 2016. Esta lista foi criada tendo em mente o lançamento original dos títulos que só vieram para o nosso país depois. Observa-se, também, que esta lista é de caráter puramente opinativo e que só abrange os filmes que eu assisti. Obviamente.

  1. Os Oito Odiados

15 Os Oito Odiados

Oitavo filme de Quentin Tarantino, Os Oito Odiados é a segunda visita do cineasta ao gênero do faroeste, mas não é seu melhor trabalho. Além de longo, o filme desperdiça alguns de seus melhores elementos em detrimento do fator “choque”, além de não conseguir carregar seu fervoroso ímpeto para um final levemente decepcionante. No entanto, como de costume nos filmes de Tarantino, os desempenhos são ótimos e os diálogos hilários. Confira a resenha completa aqui.

  1. Star Wars – Episódio VII: O Despertar da Força

Filme mais comentado dos últimos anos, Star Wars – O Despertar da Força é, com certeza, um avanço em relação à trilogia lançada por George Lucas entre 1999 e 2005. J.J. Abrams foi capaz de recapturar o senso de maravilhamento e aventura que Lucas perdeu, mas O Despertar da Força não é o melhor filme da franquia. Sem parar para respirar, o filme é repleto de furos e incongruências narrativas e também desperdiça o que tem de melhor ao seu serviço: seu elenco e personagens cativantes, o que o torna uma pequena decepção. Confira a resenha completa aqui.

  1. Missão Impossível: Nação Secreta

O quinto filme da franquia inaugurada por Tom Cruise em 1996 é, possivelmente, o melhor da série. Dirigido por Christopher McQuirre, o filme é bastante engraçado, desenvolve um pouco mais os relacionamentos dos personagens da IMF (Impossible Mission Force) e tem sequências de ação brilhantemente filmadas pelo diretor de fotografia Robert Elswit. O vilão, Solomon Lane (interpretado pelo ótimo Sean Harris) e a protagonista feminina Isla (interpretada por Rebecca Ferguson) são alguns dos melhores que a série já teve. Missão Impossível é um filme bastante bobo, fato, mas imensamente divertido.

  1. O Presente

O Presente é o longa-metragem de estreia do ator australiano Joel Edgerton (de O Grande Gatsby, Êxodo e Aliança do Crime).  Edgerton, que também assinou o roteiro, mostra completo controle de um filme simples, porém complexo, que parece um típico suspense psicológico, mas não é. O segredo está na forma como ele construiu seus personagens principais, e na maneira como eles não se comportam como nós esperávamos que eles se comportassem. O Presente é um filme pequeno e imperfeito, mas surpreendente.

  1. Ex Machina: Instinto Artificial

Primeiro filme do roteirista de ficção científica, Alex Garland, Ex Machina é uma surpreendente estreia direcional. O filme explora as fronteiras entre o humano e não humano, buscando compreender assim, o que se torna as pessoas efetivamente humanas. Com um ótimo desempenho dos atores principais, Ex Machina é também um filme que fala sobre manipulação, tortura psicológica e misoginia. O filme é inteligente, sofisticado, bem filmado e, embora seu final seja um pouco precário, no geral ele é surpreendente. Confira a resenha completa aqui.

  1. Jogos Vorazes: A Esperança – O Final

10 Jogos Vorazes a Esperança

Muito comentado por ser uma decepção dentro da franquia, Jogos Vorazes A Esperança Pt. 2 talvez seja o final perfeito para uma série de filmes (e livros) que nunca teve em mente um final feliz. A crueldade do encerramento pode ter afastado alguns fãs mais interessados em assistir crianças se digladiando dentro de uma arena, mas Jogos Vorazes se recusa a aceitar que existe algo de nobre e honroso na guerra. Esta é uma constatação inteligente, atual e surpreendentemente profunda para uma franquia de ficção científica adolescente.

  1. Ponte dos Espiões

9 Ponte dos Espiões

Novo filme do lendário cineasta Steven Spielberg, Ponte dos Espiões estrela Tom Hanks no papel de um advogado contratado para defender um espião soviético em pleno auge da Guerra Fria. Os dois homens, um americano e outro russo foram um vínculo inusitado e, quando um piloto norte-americano é capturado na Rússia, o governo americano decide usá-lo para efetuar uma troca. Ponte dos Espiões é um filme pragmático, muito bem realizado e eficiente. Não é o melhor trabalho do Spielberg, mas, como sempre, o cineasta conseguiu unir brilhantemente suspense, drama e humor como somente poucos diretores conseguem.

  1. Sicario – Terra de Ninguém

8 Sicario

Sicario é o novo filme do cineasta canadense Dennis Villeneuve, que construiu sua carreira em cima de filmes que tratam dos aspectos psicológicos e sociais da violência. Em Sicario, ele ataca a iniciativa americana na guerra contra o tráfico de drogas no México. Uma agente do FBI interpretada por Emily Blunt é recrutada pela CIA para deter um traficante de drogas. No entanto, ela logo descobre estar cercada de segredos assustadores que giram em torno, principalmente, da figura de Alejandro, um enigmático indivíduo com um passado sombrio. Sicario é um filme brilhantemente realizado, com ótimas atuações e uma fotografia espetacular. No entanto, seu argumento é um pouco dúbio e o filme é do tipo que faz você perder sua fé na humanidade.

  1. Evereste

7 Everest

Baseado na história verídica de um grupo de alpinistas que ficou preso na montanha mais alta do mundo durante uma tempestade, Evereste é um filme surpreendente. Muito bem dirigido pelo islandês Baltasar Kormákur, Evereste é muito sutil em mostrar como uma situação pode ir do paraíso ao inferno em questão de horas, como pequenas decisões podem decidir quem vive em quem morre e o poder inesgotável e incontrolável que a natureza tem sobre a humanidade. Com um ótimo elenco, boas atuações e uma fotografia maravilhosa, Evereste é um filme emocionante, lindo de se ver e perturbador.

  1. Perdido em Marte

6 Perdido em Marte

Perdido em Marte é o mais novo filme do cineasta inglês Ridley Scott e, possivelmente, seu melhor trabalhado desde o clássico Blade Runner de 1982. O astronauta Mark Whatney (Matt Damon) é dado como morto depois de uma missão malsucedida no planeta vermelho. No entanto, ele sobrevive e fica sozinho naquele mundo inóspito. Usando seus conhecimentos científicos, ele dá um jeito de sobreviver enquanto a NASA arquiteta um plano para resgatá-lo. Perdido em Marte é muito bem conduzido por Ridley Scott que usa e abusa do humor e conta com uma performance memorável de Matt Damon em um dos melhores papéis de sua carreira. Confira a resenha completa aqui.

  1. Creed – Nascido para Lutar

5 Creed

Novo filme da franquia Rocky, iniciada por Sylvester Stallone, Creed parecia um filme destinado ao fracasso (como foram vários dos títulos da franquia). Muito pelo contrário, foi um dos filmes mais surpreendentes do ano. Dirigido pelo jovem cineasta Ryan Cogler, Creed muda seu foco e acompanha Adonis Johnson, filho bastardo do campeão de pugilismo Apollo Creed, que foi melhor amigo de Rocky. O garoto interpretado por Michael B. Jordan busca Rocky para convencê-lo a ser seu treinador e o filme de desenrola em uma surpreendente história sobre superação, sonhos e legado. Destaque para a atuação de Sylvester Stallone que pode muito bem lhe render o Oscar de ator coadjuvante em 2016. Seria merecido. Confira a resenha completa aqui.

  1. Divertida Mente

4 Divertida Mente

Divertida Mente é, decerto, o melhor filme do estúdio Pixar desde Toy Story 3 de 2010. Desta vez, a equipe de animadores deu sentimento aos sentimentos que vivem dentro de uma garota Riley que recentemente se mudou para São Francisco. Além da impecável técnica de animação, o filme é brilhantemente engraçado e muito profundo em suas conjecturas. No fim, é uma história sobre crescimento e amadurecimento e, que maneira melhor de contar uma história dessas, do que sob a forma de sentimentos? Confira a resenha completa aqui.

  1. Spotlight: Segredos Revelados

3 Spotlight

Spotlight conta a história verídica do grupo de jornalistas que descobriu o escândalo de abuso sexual infantil e acobertamento por parte da Igreja Católica em Boston, no começo dos anos 2000. Contando com um elenco estelar, um roteiro sucinto e uma direção impecável do também ator, Tom McCarthy, Spotlight é um filme razoavelmente simples, mas que é capaz de navegar por um rio intricado de informações para contar uma história perturbadora que, mesmo sendo contada de forma desapaixonada, não deixa de ser extremamente intenso.

  1. Carol

CAROL

Não há maneiras de explicar como eu fiquei positivamente surpreso com Carol, a história de um romance lésbico nos Estados Unidos na década de 1950. Carol é baseado em um romance de Patricia Highsmith (de O Talentoso Ripley) e dirigido pelo cineasta Todd Haynes (de Longe do Paraíso) com Cate Blanchett e Rooney Mara nos papéis principais. As duas atrizes, aliás, nunca estiveram tão bem em cena, mas o que mais surpreendeu é como o filme é envolvente. Desde sua fotografia repleta de textura, sua trilha sonora suave ou o desempenho das duas atrizes, Carol se mostrou um filme bastante simples, porém, profundamente complexo e emocionante.

  1. Mad Max: Estrada da Fúria

1 Mad Max

Embora 2015 tenha sido um ano muito bom para o cinema, não houve nada melhor do que Mad Max: Estrada da Fúria. Dirigido pelo australiano George Miller (que também dirigiu a trilogia original da franquia entre 1979 e 1985), Mad Max é um triunfo do cinema de imaginação. Passado em um deserto de uma terra pós-apocalíptica, o filme acompanha Furiosa (Charlize Theron), uma mulher determinada que decide fugir com um grupo de concubinas de um tirano opressor, e o peregrino Max (Tom Hardy) que cruza o caminho das moças e decide ajudá-las. Além de sequências de ação absolutamente imbatíveis, uma fotografia espetacular e uma trilha sonora eletrizante, Mad Max é um exercício fascinante no gênero de filmes de ação, e o poder que uma narrativa cinética tem de contar uma história que, por detrás de sua superfície áspera e aparentemente simples, é muito profunda. Confira a resenha completa aqui.

Ficaram de fora:

Dos que eu assisti:

O Regresso (confira a resenha aqui), O Bom Dinossauro (confira a resenha aqui), A Colina Escarlate, Vingadores – Era de Ultron (confira a resenha aqui), Homem-Formiga (confira a resenha aqui), Jurassic World 007 Contra Spectre (confira a resenha aqui).

Que eu não consegui ver:

O Quarto de Jack, Beasts of no Nation, Steve Jobs, MacBeth, Brooklyn, A Grande Aposta, Trumbo, A Garota Dinamarquesa, O Filho de Saul, Straight Outta Compton, Anomalisa e vários outros.

Roberto Fideli

Jornalista e mestrando da Faculdade Cásper Líbero. Fanático por cinema, desenhos japoneses, fantasia e ficção científica. Seu sonho é ser piloto de naves espaciais, mas não tem coordenação motora para isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *