Os Mistérios de Sally Lockhart

Sally_lockhart_1Do mesmo autor da trilogia Fronteiras do Universo, a série de livros protagonizada por Sally Lockhart traz uma pegada bem diferente. Philip Pullman conta uma história centrada em Londres, no final do século XIX, onde as mulheres tinham pouco espaço na sociedade. Mesmo assim, a fantasia não é abandonada. Magos, princesas, ladrões e rubis floreiam os mistérios da jovem Lockhart.

Sally tem bastante dinheiro, que herdou do pai, e consulta seu advogado para saber como pode usá-lo. No fim, depois de enfrentar certo preconceito da sociedade, acaba investindo em uma firma de fotografia. Ela é uma mulher independente: não tem marido, não tem família, trabalha por conta própria e faz suas escolhas, o que é algo que choca as pessoas que com ela convivem.

Além de mostrar a independência da mulher, a série traz a evolução da fotografia como cenário de fundo, com os carismáticos Fred Garland, sua irmã Rosa e Jim Taylor, um jovem que se torna amigo de Sally, traz o lado sombrio de Londres, suas docas, os ladrões e boêmios.

O primeiro livro trata do mistério que envolve a morte de seu pai, o Capitão Matthew, e um rubi. Enfurnada em casas de ópio, estúdios fotográficos e ruas estreitas, Sally e seus amigos tentam desvendar quem está por trás do assassinato do pai dela. A Maldição do Rubi é de leitura simples e envolvente.

Sally_lockhart_2Já a segunda história, Sally e a Sombra do Norte, se passa alguns anos depois, mas agora as baias de teatros, mágicos e grandes mansões de figurões da alta sociedade são o plano principal para o mistério de um jovem artista, uma velha senhora e uma máquina de guerra. O livro trata de questões como o medo, a guerra, armas e regimes totalitários.

O terceiro livro, de longe, é o mais profundo e político. Nele, a questão dos judeus expulsos do leste Europeu e da Alemanha que vão para Londres é tratado com seriedade. O jornalista Daniel Goldberg, é perseguido por suas opiniões políticas e seus jornais clandestinos. Além disso, o socialismo começa a tomar forma. Reuniões e casas de abrigo para judeus perseguidos são cenários para discussões acerca da sociedade e de problemas sociais.

Sally_lockhart_3Em O Tigre no Poço, Pullman mostra uma sociedade quase ignorada, a luta das minorias (sejam elas judeus, mulheres ou pobres) durante uma época confusa e conturbada politicamente.

Sally se vê completamente perdida, sem Fred, com alguém perseguindo a ela e sua filha pequena. Impotente, vê a Justiça beneficiar um criminoso, apenas porque ela é mulher e mãe solteira. Quase que um crime na época. Vai parar em lugares de Londres que nunca pensou existir e se depara com a desigualdade social.

Sally_lockhart_4No quarto livro, A Princesa de Lata, Sally é apenas uma figurante. Quem protagoniza essa história é Jim Taylor e Adelaide, uma menina que ele resgata no primeiro livro e some. Agora ela é uma princesa de um reino, que está ameaçado de invasão por duas potências, entre elas a Alemanha, devido ao metal que produz. Com a morte do rei e do príncipe, Adelaide se torna rainha e precisa defender o povo, aprender a falar alemão, além de aprender a ler e escrever. Novamente, as mulheres independentes são colocadas em questão, com uma professora que vivia em Londres, mas nascida na Raskavia. Ela toma como missão ensinar a jovem princesa (e agora rainha) e ser sua tradutora.

A série é recomendada para quem quer passar o tempo, conhecer a Londres antiga e viver aventuras por suas longas e estreitas vielas, cada uma escondendo um mistério atrás de cada porta, lixeira ou cortina. Sally nos leva para um mundo onde é possível identificar problemas que lutamos até hoje.

Philip Pullman, Sally e a Maldição do Rubi (The Ruby in the Smoke). Editora Objetiva. Tradução: Flávia Neves. 236 páginas, R$ 37.
Philip Pullman, Sally e a Sombra do Norte (The Shadow in the North). Editora Objetiva. Tradução: Flávia Neves. 272 páginas, R$ 40.
Philip Pullman, Sally e o Tigre no Poço (The Tiger in the Well). Editora Objetiva. Tradução: Flávia Neves. 416 páginas, R$ 50.
Philip Pullman, Sally e a Princesa de Lata (The Tin Princess). Editora Objetiva. Tradução: Flávia Neves. 260 páginas, R$ 40.

Gabriela Colicigno

Jornalista, ruiva, nerd, geek e louca por chocolate. Passa a maior parte do tempo do dia no computador, vendo seriados no Netflix, lendo um livro, ouvindo música ou brincando com os gatos.

Um comentário em “Os Mistérios de Sally Lockhart

  • 26/12/2017 em 20:08
    Permalink

    Umas das melhores sagas que já li, comecei a ler pelo autor, que fez A Bussola de Ouro, apesar das poucas similaridades, Sally me surpreendeu muito.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *