Star Wars: Ascensão da Força Sombria

Star Wars Ascensão da Força Sombria

O segundo volume da Trilogia Thrawn, Star Wars: Ascensão da Força Sombria, é cheio de batalhas espaciais, planos mirabolantes, velhos e novos personagens e muitas viagens por toda a galáxia. Escrito por Timothy Zahn na década de 1990, a saga foi lançada no Brasil pela Editora Aleph e faz parte do universo expandido da série, denominado Legends na coleção, e é precedido pelo Herdeiro do Império.

A Nova República ainda está em processo de reestruturação após a queda do Império, mas os planos de um novo governo democrático são ameaçados por intrigas políticas e acusações de traição envolvendo a alta cúpula do Conselho. Cabe ao nosso trio favorito, Han, Luke e Leia, descobrir qual o esquema por trás dessa desestabilização e quem é responsável por vazar informação aos inimigos.

Enquanto Leia precisa cumprir uma promessa feita ao povo Noghri, Han e Lando Calrissian ficam responsáveis pelas investigações dos ataques feitos à frota da República. Já Luke continua sua busca pelo Mestre Joruus C’Baoth, sem saber que ele trabalha para o que restou do Império, apenas com uma lembrança do chamado e a perturbação na Força que sentiu. Cada um deles segue em suas missões, em um ritmo alucinante, com poucas pausas para respirar e trocar informações entre si, o que – em alguns momentos – me deixou bastante tensa.

Os contrabandistas Karrde e Mara Jade tentam reestruturar os negócios, ao mesmo tempo que procuram escapar das garras de Thrawn, responsável pela destruição de sua base no planeta Palleon, em Herdeiro do Império. É Mara quem conduz essa parte da trama, com sua vida passada detalhada e as conexões com o Imperador Palpatine cada vez mais claras. Em dívida com Luke e Karrde, ela vive um momento de tensão e dúvida, e é uma peça importante na trama que Zahn constrói.

A história alterna entre os personagens da Aliança e do Império, contando tramas e sub-tramas que se interligam cada vez mais, até o desfecho de toda a história. São intrigas políticas, entre raças intergalácticas, que envolvem desvio de dinheiro e uma antiga lenda de uma frota estelar gigantesca. Um dos pontos fortes do livro é juntar informações que pareciam jogadas aleatoriamente durante a narrativa pelo autor, mas que, na verdade, são uma artimanha inteligente para conduzir os acontecimentos. Assim, ninguém pode reclamar que o final é mirabolante, ou que tudo é conveniente demais. Todas as informações estavam ali, em forma de migalhas, e a tensão é construída em torno de sabermos mais do que Luke, Han e Leia, que tentam, aos poucos, juntar o que sabem e entender quem, afinal, é seu inimigo.

O segundo volume da trilogia Thrawn certamente não pode ser acusado de ser parado ou morno. Pelo contrário, a narrativa é eletrizante, rápida e em alguns momentos até atordoante. São batalhas de naves, encontros inesperados e escapadas por um triz que deixam qualquer leitor apreensivo. Agora basta esperar e saber como Zahn termina sua obra, de preferência de uma forma menos infantil do que George Lucas em Star Wars: O Retorno de Jedi.

Compre o livro: SaraivaLivraria CulturaSubmarinoLojas Americanas

Timothy Zahn. Star Wars: Ascensão da Força Sombria (Dark Force Rising). Editora Aleph, 2015, 504 páginas. Tradução de Fábio Fernandes. ISBN-13: 9788576572107

Gabriela Colicigno

Jornalista, ruiva, nerd, geek e louca por chocolate. Passa a maior parte do tempo do dia no computador, vendo seriados no Netflix, lendo um livro, ouvindo música ou brincando com os gatos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *